Página inicial
Apresentação
Penude
Notícias
Entrevistas
História
Festas e Romarias
Associações
Fotografias
Álbum de fotos
Ligações
Publicidade
Arte e Literatura
Arte
Literatura
Textos
In Memoriam
Quem somos
Contato
Localização
Livro de visitas
Blog
Mapa de acesso
 

O Menino Fechado em Nós
JPLam

Só podemos amar os outros na mesma medida em que nos amamos, amando a Criança Interior que há em nós.


 

Uma das coisas que me enjoa é o “mais do mesmo”, seja no que for. Provavelmente não só a mim.

Na quadra de Natal este “mais do mesmo” é por demais evidente (os votos boas festas, de bom ano novo e de felicidades, os convívios anuais, as prendas e esmolinhas que têm de ser dadas nesta altura, etc.etc.).

A mim dá-me gozo ver as coisas mudando de óculos e partilhar novas visões.

Por atenção ao menino Jesus de Nazaré (nascido em Belém) e que lembramos nesta altura, reflecti e partilho algo de novo sobre o menino ou menina que todos nós fomos e que continua cá dentro de nós, mas encerrado, agora, adultos que somos.

 

A essência da criança é pura, é divina. Tal como a natureza pura, tem a sabedoria divina dentro de si («olhai os lírios do campo…». «Olhai as avezinhas do céu…»). Por isso a criança é altamente sensível e instintiva, sabe em quem confiar ou não, tem uma enorme intuição, faz o que lhe vem à cabeça, quer ser amada, gozar a vida, fazer descobertas, brincar (sem precisar de brinquedos extravagantes – que muitas vezes são chantagens de negociação dos adultos…), é simples, espontânea, alegre, exprime as suas emoções, chora, ri, grita… Só precisa de amor, orientação, carinho, cuidados mais prolongados para o crescimento mais complexo do seu cérebro e ser mais autónoma.

À medida que o tempo passa, a criança tem de prestar cada vez mais atenção às pretensões dos adultos. A voz dos “crescidos” (“isso é mau, não se diz”, “não se faz”, “faz o que te dizemos”, “nós é que sabemos”…) com seus tabus, os seus preconceitos, as suas “necessidades” e vontades, vai afogando a voz interior e os instintos da criança. E é assim que a nossa sábia Criança Interior (CI), o nosso “Self”, o nosso “Eu profundo” é aprisionado sob uma espessa camada de gelo ou de cimento armado.

Em suma, quando éramos crianças, fomos programados com falsas crenças acerca do propósito e natureza da vida.

Mas podemos corrigir esses programas. Está estudado cientificamente (por vários autores) que todas as pessoas normais, se quiserem, tiverem oportunidade e a agarrarem, podem mudar. Temos feridas emocionais de infância que é possível descobrir e é possível curar. Mas para tal é necessário desencarcerar e dar voz à nossa CI; é ela que pode curar, que pode trazer a paz e felicidade que cada “adulto” (“adulterado”?) aspira.

 

”Eu sou uma Criança Interior e sou eternamente jovem; assim, a minha idade é a que eu escolher. E hoje escolho ter cinco anos”…

“Os adultos complicam tudo; a nós bastava-nos um beijo e um abraço carinhoso”… ”Sabes o que não é correcto? É que me assustes com a tua mistura de opiniões e crenças de pessoa crescida”… ”Tens uma imagem do mundo de que eu não gosto e tentas assustar-me para me obrigares a ser e a fazer o que tu queres”… ”A imagem que tu tens é apenas o filme de terror que tu criaste”… ”Mas se decidires viver uma história de amor comigo, então muda simplesmente de canal, para o canal da Criança Interior”…

 

Como reencontrar a CI (Criança Interior)?

Uma das formas de tomar consciência, reencontrar a CI (Sabedoria Interior) é observar as crianças quando se comportam naturalmente.

É comum a nossa CI, se abandonada, manifestar a sua “birra”, descontentamento, mágoa, (e tudo isto é pedido de ajuda ou atenção), através de dor ou doença (desde a simples à crónica). Normalmente, em vez de percebermos esse sentimento, e passarmos a divertirmo-nos com ela e de lhe darmos amor, damos-lhe demasiada comida, medicamentos, sexo (no momento errado, com a pessoa errada…).

Para aqueles que não vão por aqui e querem chegar à Fonte, descobrir a sua CI, será necessário tempo, paciência, amor e muita boa vontade para que a CI (tão mal tratada) confie no se Eu adulto. Compreender que essa parte do nosso Eu é uma sábia criança e ser capaz de perceber que a devemos tratar como tal. É importante ter presente que a nossa CI sabe tudo de nós, não é possível enganá-la. Tratá-la com respeito é absolutamente indispensável. Deixar que ela nos fale e aja á sua maneira e não a julgar ou criticar. As ideias preconcebidas e os comportamentos “adultos” são apenas programas. Já pensou que talvez tenha deixado de ser um “ser humano” e se transformou numa espécie de robot, sem ideias próprias?

A CI (Criança Interior) irá ajudá-lo a desenvolver o acesso à sua SI (Sabedoria Interior), a qual permitirá abrir a porta a um maior número de possibilidades na vida.

Em vez de tentarmos criar um novo “eu” ou pensar em ”reparar” o actual modelo “adulterado”, talvez precisemos simplesmente de desenterrar o nosso “Eu original” (CI) e deixar que ele seja quem nós somos («deixai vir a mim as criancinhas, pois o Reino de Deus é delas», pediu o Mestre Jesus…).

Lista de pedidos da CI aos Pais (neste) Natal em 9 de Dezembro de 2010:

“As minhas mãos são pequenas: por favor, não esperem a perfeição”!

“Preciso de encorajamento para crescer: por favor, podem criticar o que faço sem me criticarem a mim”?!

“Os meus olhos não vêem o mundo como os vossos: por favor, não me impeçam de fazê-lo, se não for perigoso para mim”!

“Os meus sentimentos são ternos: por favor, não impliquem comigo o tempo todo”!... “Dêem–me a liberdade para tomar as decisões que me dizem respeito e deixem-me falhar, para que eu possa aprender com os meus erros e preparar-me para a vida”!

“Só sou pequenino/a por pouco tempo: por favor, percam tempo a explicar-me as coisas”!... “Disciplinem-me de modo afectuoso”!... “Não me comparem a outras crianças”!... “Dêem-me todas as oportunidades para eu aprender e bons exemplos para eu seguir”!

 

Só podemos amar os outros (e em particular os que nos são mais queridos) na mesma medida em que nos amamos, amando a nossa Criança Interior.

JPLam

 

CARMA???
JPLam

Carma é um termo de origem sânscrita (oriental) que significa “acção”, “feito”. É pouco conhecido e falado entre nós.


Carma é o efeito (positivo ou negativo) das causas que cada um de nós pôs em movimento no passado do nosso dia a dia. É a consequência dos nossos pensamentos, palavras e actos (tudo o que acontece tem uma causa!). 

A partir desta ideia comum, há várias concepções de “carma”:

Há a ideia de que “carma” é “pagarmos nesta vida o que fizémos noutras”, ou “a herança que herdámos dos nossos antepassados”.

Mas a ideia de “carma” (efeito negativo) que nos parece mais adequada e prevalecente é o sentimento de culpa causado por coisas que os nossos pais, catequizadores, educadores gravaram em nós. Sentimento de culpa que nos transformou em carrascos de nós próprios e que nos levam sistematicamente a autoflagelarmo-nos de várias formas, inconscientemente.

Em suma, o carma é um sentimento de culpa e autoflagelação.

Ora isto acontece com todos os povos e acentuadamente com os portugueses. O “fado” (“canção nacional”) é porventura uma das expressões mais claras disso mesmo.  

Investigações recentes (Rupert Sheldrake) concluem que, se um grupo de pessoas tiver um pensar idêntico durante um período de tempo relativamente grande, a energia daí resultante (“agregore” ou “agregaria”) influencia tanto as pessoas que lhe deram origem, como eventualmente outras. Cada país (cada região) tem a sua energia ou a sua alma específica. Cada região influencia e é influenciada pela energia das formas de pensamento dos habitantes dessa região. Estes estudos indicam que, quando essas concentrações de energia atingem determinado volume, influenciam ou podem influenciar a vida de todos. Também apontam para o facto de, «quando uma pessoa irradia dentro do espectro vibratório de determinada “agregaria”, poderá sintonizar-se ou viciar-se nessa vibração» (caso dos drogados ou viciados). Assim, «uma pessoa negativa ou sistematicamente preocupada, poderá não conseguir libertar-se dessa forma de estar ou pensar».

Então, conscientes de que «pela nossa vibração podemos influenciar a nossa vida, bem como a vida de milhões de outras pessoas, cabe-nos a nós, pela lei do livre arbítrio, (dom da livre escolha) optar ou, pelo menos, tentar optar por alimentar e alimentarmo-nos da energia que melhor nos pareça». Porém, temos de ter presente que não é suficiente apenas ter vontade. É preciso sentir de facto (vibração energética).

Por outro lado, «o conhecimento adquirido por um conjunto de indivíduos agrega-se ao património colectivo, provocando um acréscimo de consciência que passa a ser compartilhado por todos». Sheldrake designa isso por “ressonância mórfica”. Esta «“ressonância mórfica” tende a reforçar qualquer padrão repetitivo, seja ele bom ou mau. Por isso, qualquer um de nós é mais responsável do que imagina, pois as nossas acções (o que pensamos, escrevemos, dizemos, fazemos) podem influenciar os outros e serem repetidas» (Sheldrake). 

As investigações mais recentes da psicologia também nos dizem que somos “vítimas” de coisas que os nossos pais (que nos adoram e que nós adoramos) e outros “superiores” nos fizeram e nos disseram quando éramos crianças (até aos 7-9 anos). E que ficaram profundamente gravadas. E que nos programam e ditam a nossa maneira de pensar, de sentir e de agir. Tudo inconscientemente.

Quando algo nos magoou, em criança, guardámos isso na memória do nosso subconsciente e ficámos com o sentimento de culpa e de vergonha de eles (pais, “mais velhos”, “superiores”) nos terem magoado, porque nós, crianças, vemo-los como “os maiores”, os que “sabem tudo”, “os que mais nos amam” e “só querem o nosso bem”, porque gostam de nós (e eles também sentem isso mesmo!).

Com isto gerou-se em nós um terrível “Juiz Interior”.

Então, pela vida fora, ficamos com o sentimento de culpa, vergonha e medo de sermos abandonados, medo de sermos marginalizados, medo de nos desintegrarmos, medo de sermos recusados e de recusarmos o grupo (familiar, religioso, laboral, etc.). Todos estes sentimentos estão sempre associados, perduram pela vida fora e levam-nos a sermos extremamente críticos e a não gostarmos nem de nós. E quem não gosta de si, dificilmente gostará dos outros. É o terrível “Juiz Interior” (ou “Crítico Interior”) que não nos larga, que julga tudo o que fazemos e não fazemos, o que pensamos e não pensamos, o que sentimos e não sentimos, que somos culpados, que devemos ter vergonha, que temos de ser castigados, etc.

Sempre que nos sentimos culpados, punimo-nos e reproduzimos na nossa vida esse sentimento de culpa adquirido na infância e autoflagelamo-nos. Somos carrascos de nós mesmos. É o carma. E cada vez que nos incriminamos, mais reforçamos o nosso carma. É o círculo vicioso. Isso acontece pelos nossos “pensamentos negativos”, que geram palavras negativas”, que geram “actos negativos”, que geram “hábitos negativos”, que forjam a nossa personalidade, o nosso carácter e o nosso “destino”, como pessoa, como grupo e como povo.

Enquanto nos tratarmos mal (individual e colectivamente), a dizer de nós o que não admitiríamos que outros dissessem de nós, continuamos (inconscientemente) a repetir os mesmos erros.

Aqueles sentimentos de culpa, vergonha e medo não deixam que nos amemos, esgotam a nossa energia e até nos podem levar à doença. E se não gostamos de nós, também não gostaremos dos outros. E se nos tratamos mal a nós, também acabamos por tratar mal os outros. O grande problema de base é não termos consciência disto. 

Tudo o que nos afecta do exterior é uma projecção nossa. Nós só vemos o que queremos ver, só ouvimos o que queremos ouvir. Somente isso! Pelo que não vemos nem ouvimos nem conhecemos as pessoas e as coisas como elas são.

Só quando aceitamos as coisas que nos perturbam é que não entramos em guerra (connosco e com os outros). 

Nascemos com a perfeição dentro de nós (o Eu profundo, o Self referido por Jung) e que permanece em cada um de nós pela vida fora (a “Criança Interior”).

Não é a perfeição que nos falta. Ela está cá dentro. É a visão e libertação dos “maus pensamentos” (“pensamentos negativos”) que nos convenceram de que não éramos perfeitos. 

Está nas nossas mãos libertarmo-nos desse carma negativo.

Para isso, temos de fazer as pazes com aqueles que nos marcaram profundamente, os nossos pais, professores e outros educadores formatados e formatadores, controlados e controladores, que nos “domesticaram” (Miguel Ruiz, “Os 4 Acordos”). Se fizermos as pazes com eles, faremos as pazes com a nossa Criança Interior que está lá no fundo de nós, encerrada num cofre forte da memória, longe, muito longe do consciente. Ter conciência disto já é meio caminho andado para a resolução do problema, para o aperfeiçoamento que nos fizeram perder na infância. 

Quantas vezes por dia pensamos ou dizemos mal de nós, de outras pessoas, de acontecimentos ou situações?

Procedendo assim, estamos a deixar-nos dominar por “emoções/energias negativas” como: culpa, vergonha, medo, mágoa, ressentimento, rancor, inveja, ciúme, etc. (maus pensamentos/“demónios interiores”). Estamos a “sabotar-nos emocionalmente”. Estamos a escolher um futuro com energia negativa semelhante, para nós e para os outros. 

Paremos de nos identificarmos com os nossos defeitos, com as nossas dificuldades e de procurar justificá-las (bodes expiatórios)!

Paremos de nos sentirmos “vítimas” ou “mártires” ou simplesmente frustrados pelo que os outros disseram, fizeram ou não fizeram!

Voltemos a nossa atenção e energia para as nossas qualidades, para o muito de bom que há em nós e reforcemo-las, em vez de nos fixarmos nos “ditos” defeitos, pois tal tenderá a reforçá-los em vez de curá-los!

Sejamos a força motriz das nossas qualidades!

A forma como pensamos ou nos sentimos influencia profundamente a forma como nos tratamos e, portanto, a nossa vida.

JPLam

 

OS ALMOCREVES
Os almocreves eram pessoas que conduziam animais de carga e/ou mercadorias de uma terra para outra, durante a Idade Média e até tempos bem recentes - meados do século XX.
Numa época de comunicações limitadas, os almocreves eram essenciais como agentes de comunicação inter-comunitária (além de serem indispensáveis ao abastecimento de bens às aldeias, vilas e cidades). De entre as rotas de abastecimento mais importantes, destaque para as que levavam os almocreves a transportar peixe do litoral para o interior e, no sentido inverso, cereais.
No tempo dos Almocreves
Isidro Lamelas

 

 


           Nos tempos em que ainda não havia estrada que permitisse a circulação automóvel, os almocreves e carvoeiros eram uma presença constante e fundamental na vida e economia das gentes de Penude. Eram eles que, percorrendo as vias mais trilhadas, transportavam todo o tipo de produtos que os lavradores não produziam. Regularmente percorriam a mesma rota, da serra da Gralheira até Lamego. Em Penude, carregavam duas montadas de batatas ou algum presunto que vendiam na Paiva e, de volta, traziam milho, azeite, vinho, mercearia. Tudo isto era transportado em odres ou sacos que carregavam no dorso das mulas.

Todo este movimento justificava a existência de uma albergaria onde pudessem pernoitar e acolher as bestas. Muitas histórias contavam estes almocreves que eram uma espécie de semanários que traziam novidades de outras paragens. À importância económica desempenhada por estes mercadores itinerantes junta-se o papel primordial que assumiam enquanto elementos de ligação inter-comunitários. De facto, não eram só mercadorias que os almocreves levavam. Com eles iam também as notícias de freguesia para freguesia, do campo para a cidade, e da cidade para o campo. Quem ia casar com quem, quem comprou o quê, quem vendeu o quê, quem é o novo pároco de sítio tal, se as colheitas para lá da serra prometem, se há perigo de guerra, etc etc...

Muitas vezes ao almocreves de Penude eram surpreendidos na serra pelo cair da noite, no meio de terríveis tempestades de chuva e neve, com o ribombar dos trovões a fazerem alternância ao uivar dos lobos. Na escuridão, que só os relâmpagos quebravam aqui e além, era impossível seguir o invisível carreiro que os devia conduzir a porto seguro, às povoações, onde os esperavam os seus clientes. Embrenhados em densos nevoeiros e fustigados por fortes ventanias, quantas vezes se perderam, caminhando sem rumo e à mercê do destino.

Muitas histórias contavam estes viandantes de Penude que se aventuravam até à Serra da Grelheira, com seus burros ou mulas carregados de milho ou batata. Muitas vezes perdiam-se na serra, reorientando-se aqui e além pelo cintilar da luz de uma candeia à janela e lá eram acolhidos no palheiro ou na casa de alguém mais hospitaleiro.

O último almocreve (carvoeiro) de Penude foi o tio Joaquim Maravilhas, de Penude, que andou nessa vida enquanto as forças lho permitiram. Jumenta ruça à frente, carregada com três sacas de carvão, que quase lhe encobriam as orelhas, e Joaquim Maravilhas atrás, com meia saca às costas e tamancos ferrados a guilhos nos pés, que faziam grande ruído no lajedo do caminho, em alternância ou sincronia com as ferraduras da ruça. Durante muitos anos, esta imagem fez parte do cenário da nossa terra e arredores. Da serra de Grelheira à Lapa, calcorreava os árduos caminhos com a mesma regularidade e paciência que intempérie alguma demovia. Homem e burra faziam parte da paisagem serrana e era frequente ver-se a sua silhueta projectada no horizonte, nos cerros da Costa Lapa. Joaquim Maravilhas era figura típica da região do Paiva e de toda a serra. O carvão era transportado do Perneval e das Levadas para Lamego. Com a sua morte, desapareceram os carvoeiros. Em meados do século XX também os almocreves desapareceram definitivamente.

Castanhas
Penude a minha Aldeia Revisitada
Manuel Pereira Varanda

 

 

 
Pérola
Tudo vale a pena …  
 
José Bernardo
Funchal - Madeira
 
 

Tudo vale a pena ...

Começo por recordar Fernando Pessoa: “tudo vale a pena se a alma não é pequena”.

Com o nascimento do website da nossa querida terra, www.penude.net, cujos autores quero distinguir e agradecer, torna-se um imperativo para todos nós, residentes ou na diáspora, participar e contribuir activamente com os nossos modestos recursos, para dar a conhecer e a divulgar a todos os cibernautas a terra que nos viu nascer.

Apesar do pouco engenho e arte para a escrita, no entanto, queria partilhar com todos os leitores o tema que titula esta minha crónica, de uma forma simples, abrindo espaço à participação de todos os que amam e estimam as nossas raízes. Todos somos poucos para engrandecer e homenagear a nossa terra natal.

Bem sabemos que a nossa memória é curta e limitada, ainda mais quando estamos “ausentes” desde a nossa adolescência. Todavia, quero aproveitar esta minha modesta contribuição para dizer que “recordar é viver”.

Vivia-se ainda o rescaldo da 2ª guerra mundial quando vi pela 1ª vez a luz do dia, numa manhã primaveril. Não havia centros de saúde, planeamento familiar, assistência na gravidez e pós-parto, abono de família, subsídios de nascimento, aleitação, creches, infantários, apenas a escola primária nos esperava quando perfazíamos os 7 anos.

Sem qualquer protecção social, assistência médica ou reforma … a população sobrevivia do cultivo da batata, do milho, do trigo, do centeio e da cevada, com a criação de algumas cabeças de gado bovino, caprino e suíno, que com a sua carne, leite e força, auxiliavam no rendimento e desempenho na lavoura. Quem não se recorda do queijo e leite fresco que as mulheres “leiteiras” transportavam em cântaros à cabeça até à cidade de Lamego? E a carne de porco e os seus derivados, como o “fumeiro” e presunto?...

Era assim que o “lavrador” fazia face às dificuldades da vida do campo que trabalhava de “sol a sol”, sem descanso, sem ajudas, sem subsídios, sem seguros, enfim, vivendo à sua sorte. Através das sementeiras, os campos começavam a ficar com as cores verdejantes na Primavera, anunciando o início das colheitas da batata e dos cereais, quando o cenário mudava para as cores castanha e dourada. Com a enxada e a foice, fazia-se, respectivamente, a “arranca” do precioso tubérculo e a “segada” dos cereais. Seguia-se a “malhada” nas eiras com o mangual, antecessor da malhadeira que, tal como o arado e a charrua no amanhar das terras, veio contribuir para uma melhor qualidade de vida do agricultor. Já no final do Verão início do Outono, assistia-se à deslocação a pé e em espírito festivo das chamadas “rogas” (grupo de homens e mulheres das aldeias), para as quintas do Alto Douro, onde se fazia a apanha das uvas, que iriam dar origem ao famoso “vinho do Douro”, hoje, património mundial. Era uma forma de amenizar as dificuldades de emprego e trabalho desta gente humilde mas laboriosa

Retenho ainda as imagens coloridas da minha aldeia com as suas casas de pedra, anualmente, caiadas de branco para receber a visita pascal. Revivo com profunda nostalgia os tempos outonais em que percorríamos as leiras, cobertas de giestas e piornas e nos pinheirais, à procura de cogumelos (gasalhos e sanchas) e, no Inverno, sob o manto branco da neve, as armadilhas aos pássaros. Na Primavera, era a caça aos ninhos de melros, pardais e mochos no meio das fragas. No Verão, aproveitávamos para fazer praia fluvial nas “Poldras” ou nos “Depósitos”, ou ajudávamos os mais velhos a pescar trutas… enquanto as mulheres se dedicavam à lavagem da roupa nas águas do rio Balsemão. Recordo os jogos tradicionais da choca, da malha, do pião, do pino e tantos outros que ocupavam os nossos tempos livres.

Da nossa memória colectiva, não posso deixar de realçar que até 1965 não havia electricidade. Com a chegada da noite, havia que acender as candeias de azeite ou o candeeiro a petróleo, não raras vezes geradores de incêndios trágicos. O gás de cozinha ainda era uma miragem, sendo o seu  predecessor  a lenha seca das giestas, o cisco dos pinheiros e as achas das “piornas” que nos aquecia à lareira, onde se rezava o terço, após a ceia. A água tão saborosa, fresca no verão e quente no inverno, era transportada em cântaros à cabeça desde a fonte que ainda hoje resiste ao tempo. O stress não fazia parte do nosso dicionário. Valia-nos a “bondade” da natureza, a alimentação “biológica”, o ar puro e a solidariedade das nossas gentes. Vivia-se em ambiente familiar, em espírito comunitário.

Foi neste quadro cultural, económico, educativo e social que vivi a minha infância até à conclusão dos estudos primários. Em 1959,  deixei-me seduzir pelo ideal franciscano e com 11 anos, rumei em direcção a Leiria, onde ingressei no Colégio da Portela. Prossegui os meus estudos em  Montariol,  Varatojo e Luz, até que aos 22 anos  optei por regressar à vida secular, confirmando que “muitos são os chamados, mas poucos os escolhidos”. No entanto, quero deixar o meu agradecimento a todos aqueles que contribuíram para a minha formação, sem os quais, certamente, não estaria aqui e agora a dar este singelo testemunho.

Está em fase de construção o novo Centro Social. Diria a este propósito que “Roma e Pavia não se fizeram num dia”, é certo, mas temos de reconhecer que há muito tempo a nossa população devia beneficiar deste espaço cívico e social. As suas gentes bem o merecem. Defendo que se deve dar mais a quem tem menos para que as desigualdades e assimetrias sociais e económicas sejam cada vez menores, para que todos tenham as mesmas oportunidades. Infelizmente, Penude assenta num vale cujo solo é parco em recursos naturais, onde existe uma agricultura de subsistência, não há comércio e muito menos indústria ou serviços suficientes para dar trabalho a tantos que foram obrigados a emigrar/imigrar. Se essa força de trabalho ou mão-de-obra fosse residente, estou certo que teria contribuído definitivamente para alterar o quadro de subdesenvolvimento que ainda se vive na nossa freguesia. Há que investir no capital humano para evitar que o envelhecimento e a desertificação se acentue ainda mais. Ainda vamos a tempo?!

Desde esta “pérola do atlântico”, olhando à distância de 1300 quilómetros, auguro as maiores felicidades a todos os meus conterrâneos, onde quer que se encontrem, e o maior desenvolvimento e progresso para a nossa querida terra natal, Penude. Porque, apesar de tudo o que ficou dito e omisso, reafirmo que “valeu a pena ter nascido onde nasci…

Funchal, 25 de Setembro de 2009.
José Bernardo
Av. D. Teodoro de Faria nº 4, Bloco 7-6º Frente - S. Martinho, 9000-782 Funchal
Tel. 291 773 043/933 524 256 - e-mail: j.bernardo2006@gmail.com

O CHINCHARRABELHO - J. Alberto de Oliveira

Ler alguns dos nossos bons escritores, permite uma descida ao húmus, ao chão de muitas das nossas raízes.

Aconteceu há dias, numa página magnífica de Raul Brandão. Fui surpreendido pelo vocábulo “o chincharrabelho” (sic). Estanquei e estremeci.

            Quando eu era miúdo, quando aprendia as primeiras letras, conhecia os pássaros dos sítios da minha infância. Havia também o chincharrabelho.

Vagamente me lembro que era um passarito muito irrequieto. Era uma das nossas referências de rapazes à cata de ninhos. Eu e os meus amigos dizíamos: “Sei dum ninho de chincharrabelho!”

Ao deixar a meninice e os seus territórios, perdi o chincharrabelho nas funduras do esquecimento. Foi Raul Brandão quem me trouxe à luz da memória este passarito e o vocábulo que tão apropriadamente o denomina.

            Como eu gostaria de rever o chincharrabelho. Que é feito do chincharrabelho? Desapareceu? Ou já ninguém o reconhece e distingue das outras aves?

            O “Grande Dicionário de Língua Portuguesa” de Cândido Figueiredo deu-me este retrato:

            Chincharravelho, s. m. Pássaro dentirrostro, mejengar. 2. s. m. Traquinas.

Quem me descobre e devolve o chincharrabelho?

 N. B. – Presumo que a passarinha do chincharrabelho se chama chincharrabelha.

(30/0709 ) -  J. Alberto de Oliveira


AS CONVERSAS SÃO COMO AS CEREJAS - Manuel Dória Vilar

Já lá diz o ditado que as conversas são como as cerejas....aguçam o apetite até ao fundo do cesto...

E vem a propósito do texto do J. Alberto de Oliveira sobre o chincharrabelho e a questão de alguns nomes de aves de origem onomatopeica caso em que este se insere.

Investiguei e aqui está um pequeno contributo para o conhecimento do célebre passarinho " Cachapim ", Chapim " ou " Chincharrabelho "

30/0709 - Manuel Dória Vilar
 

MÃE TERRA - J. Filipe P. Lamelas

 A propósito deste nosso sítio que o meu irmão José briosamente potenciou aos penudenses que por aí possam existir, ainda capazes de encontrar sentido nas coisas originárias (as únicas que o faro da alma nos faz criar brilhozinho nos olhos, por serem simples e primeiras) lembrei-me de nele entrar e dizer algo que me fosse na alma… Mas para falar de quê, meus amigos?! 

 Responderão vocês:

- “Da nossa terra, ora!”

Ora aí temos uma boa resposta para a minha primeira entrada no “site Penude - Lamego”: falar da terra.

Reparem na força desta palavra, terra! Já alguma vez alguém vos perguntou qual é o vosso local de nascimento? Ou o concelho de nascimento? Ou freguesia de nascimento? Ou mesmo a casa de nascimento? Ninguém, quase que juro pelas alminhas dos que lá tenho! Mas perguntar a alguém qual é a sua terra é coisa que toda a gente faz.

 Portanto, somos todos de uma terra. Da terra da nossa terra. Duma qualquer terra onde todos nascemos e para a terra voltamos que pode não ser “a nossa terra” mas é sempre terra.

Vejam a força criadora e maternal desta palavra “terra”, que ninguém ousa perguntar doutra maneira sobre o sítio do ninho donde saltou um dia para a diáspora infinita da vida que a cada um coube!

A terra é o húmus fértil por onde o arado de Deus sulcou a vida dos homens e das mulheres e outros entes deste universos sumamente belo …enquanto todos nós quisermos!

 Tenho, assim, a minha terra como tudo o que respira tem. E dizemos “qual é a tua terra?”, com a mesma felicidade com que dizemos “qual é a nossa mãe”. São duas expressões absolutamente únicas, irrepetíveis, e, mais que isso: são sagradas. Ouvir falar mal da nossa terra custa! Como doloroso é que molestem nossa mãe! 
 
E portanto, é ponto assente que minha terra é Penudo, termo que sabendo a rude (penedos e penedias) tem o outro lado da coisa (a dureza eterna granítica, com sabor a lealdade do antes partir que torcer, dos homens da Beira Alta, do forte e fundo Douro e Trás-os-Montes).

Por ali andei por aqueles caminhos e carreiros térreos, ora caminhando ora descaminhando pelas costelas (na altura lindamente verdes) da serra das Meadas que preguiçosamente desagua na lendária cidade de Lamego. Encostada a essa serrania apinhada de suor sangue e pranto dos nossos antepassados, ali está Penude, a minha terra. Ali dei os primeiros passos antes de saltar do ninho. Ali cresci em grande prol mas também com outros bravos pássaros: na escola de Sucres, na capela do Outeiro, da Matancinha, fiz bessadas e arrancas, segadas e malhadas, embelguei e empalhei, “deitei poças nas lameiras”, e ao moinho à taleiga, pus o apeiro nas “bacas” (jungui-as como podia, algumas ainda nobelas), ida à Coira roçar tojo, apanhar semente de giesta, ao cornelho nos centeios, aos ninhos no Maio-moço (de carriça, ou corcalhé, melro ou xinxarrabelho, falosa e mesmo de cuco catei com ovos no ninho alheio), à missa aos primeiros sábados ou primeiras sextas feiras, segunda à missa das almas, e muito cuidado a ter com o “fogo real no monte”, ou o rádio uivando à noite em casa (num roído infernal) dando notícias da guerra da Angola, Guiné e outros medos (ai os “turras que nos matam”!), e da festa do carneiro (S. Pedro, e do “Iteiro”), e os jogos do pião (e piusgas saltaricas), tiroliro e “espeta-pau”, “stoira-balas”  e ferrinhos, patela e bola de trapos, e de tanto anjinho finado que a pequenada levava em grupo o caixãozinho, atrás do Senhor Abade (magestoso Pe. Borges), e as guerras dos “talhadoiros” (no verão a falta de água punha tudo à berdoada entre os batatais embelgados!) a ida à doitrina à Igreja (pr`á primeira comunhão, solene, à crisma ou desobriga), militância na cruzada (marchar em volta da Igreja ao som dum hino de mover montanhas “Mocidade em flor abante abante, Jesus cansa de tanto  nos chamar, cerrar fileiras com Jesus à frente, contra o demónio marchar marchar”, isto, sem dó nem piedade meus Senhores!).

  No meio desta contenda de ideais que nos fervilhava as veias, o Estado embrutecido de ignorância e fome infame, aqui e ali havia uma grafonola de abissais bobinas e guelas esganiçadas nas casas mais abastas saltando a voz da deusa do fado (Amália dos “são os caracóis são caracolitos” e outras vozes menores) ou de uns ranchos falclóricos cantando o “Manuel da Rola”.

  Tempos em que o relógio era de sol, em que o Professor era Senhor Professor, o Padre Senhor Abade,  a polícia Guarda Fiscal, o médico Senhor Doutor, o da rabiça do arado o Lavrador ( com direito a ser o primeiro no garrafão e bucha, merenda jantar e almoço) se pedia a “bençopai e à mãe” e se rezava “ò meidia” e as três ave-marias  à noite ao entardecer, se rezava o terço em casa (o meu pai ainda reza), e quando se encontrava alguém no caminho “o Senhor nos dê bons dias” e se  levava o garrafão!... 
 
Este húmus que me deu o ADN para sulcar o meu futuro e demais à minha volta teve actores de renome que orgulhosamente nomeio, numa lista infindável e que aqui exemplifico: minha mãe Rosa Alves Pereira e o pai Jaime da Pinha (meu referencial eterno, de ex. libris Lamelas) os meus os tios da Matancinha, Pereira, Matança, Arneiros e Residência dos avós, e essa figura imponente que marcou gerações inteiras (nem sempre nos termos certos bem sei, mas que se entregou todinho, do norte ao sul de Penude, pela causa da paróquia, agora ingratamente esquecido), o Padre Manuel Rodrigues Borges, homem de quatro costados, que vestido de batina parecia a torre de menagem do castelo de Lamego, onde tantos eram os botões em fila que nunca consegui contar, encimados num cabeção branco que de aureola de santinho nada tinha mas de diabo vos garanto que também não Senhor!
 
E havia mais actores, neste teatro de outro mundo (com muitos demónios e Deus, limbo inferno e purgatório) nada menos secundários. Grandes valentes actores, alguns heróis a valer (epícuros à sua maneira!) que dignamente venceram e convenceram pelas suas vidas fora: o Alcides, Gil, Arcílio e Altino da Progaçal. Leonel (Pe. Leonel, o melhor aluno da nossa escola em Sucres), o Avelino (Pe. Avelino Maravilha no nome e no ser);  o Aníbal Carola, e tantos, tantos outros colegas, de Quintela, Grandal, Bairral e Sucres e outras terrinhas ali, que por aí andam valentes, fintando a vida que nem o Ronaldo da bola, hoje pais e mães de família e que rarissimamente revejo!
 
Foi nesta terra que estas sementes germinaram, cresceram em flor e fruto, do nada ou quase nada se fazendo homens de quatro costados. Desta terra tantos saíram na aventura do pão (nosso de cada dia e outros pães que a alma gosta) mas que permanentemente olha de soslaio e lagrimazinha nos olhos para o seu torrão natal, com vontade de voltar ou visitar quando dá…

 É neste sentido de regresso, que este “site” tem sentido (entre tantos fins possíveis se a boa vontade quiser). O presente é pouco mais que a soma do passado. Esquecer a nossa memória é ignorarmos quem somos. E se não sabemos quem somos não nos poderemos identificar perante o vizinho ao nosso lado, doutras terras...

 Gostava que este sítio fosse uma oportunidade de tentarmos todos identificar quem é afinal este imenso planalto, sentado no colo das Meadas. 

A nossa memória colectiva está quase por um fio! É hora dos homens bons, de boa vontade e gesta, filhos legítimos da terra de Penude  que o site pode libertar. Espaço também dos demais amigos vizinhos, das terras que nos circundam que falando a mesma linguagem, possam entender e reviver o passado donde vimos para perspectivar o futuro com sentido para a vida.

 E isto não custa nada, basta dizermos o que pensamos, de boa-fé opinar (escrevendo, fotografia ou pintura), tudo valendo se o lema for construir ou reconstruir o que somos como povo de Penude que nesta aldeia global quer exercer também o seu direito à diferença (que é o elixir da vida).

 Julho/2009
J. Filipe P. Lamelas

filipelamelas@gmail.com


O PÃO DA VIDA DE CADA DIA - Isidro Pereira Lamelas

Toda a existência humana se desenrola num complexo de relações de comunhão, o mesmo é dizer de comunicação simbólica. Todo o símbolo constitui um núcleo de referências que derivam e, ao mesmo tempo, condicionam a cultura de um povo.
Há, no entanto, símbolos que exprimem de tal modo a comunhão do homem com a realidade suma da sua essência íntima que se podem definir verdadeiros sacramentais da vida. Tal é o caso do pão, entendido na substancialidade vital, mas também na sua elementar realidade de alimento quotidiano que, no passado das gentes de Penude, era ainda mais essencial que hoje. É, de facto, desse pão do nosso povo que eu queria falar; desse pão das searas e das eiras, das gamelas e das gigas, desse pão com côdea dura como os calos das mãos que o cultivaram; desse “pão nosso” bendito sempre à mão nas nossas casas, em que se ralhava por mil e uma razões.
O pão: nenhum outro alimento aproximava tanto os céus e a terra, Deus e os homens, mesmo quando, por causa dele havia guerras; mesmo quando por outras causas e cousas, como os marcos e os talhadouros, os vizinhos deixavam de partilhar o frumento ou emprestar uma broa.
Nada como o pão nos traz à memória tempos e hábitos pretéritos em que cada fatia era aspergida com o suor de rostos saciados na seara da justiça. Como não recordar os gestos sagrados da liturgia das colheitas, os rituais do amassar e cozer o pão, onde o diabo não ousava meter mão; e nos altares pouco profanos de cada teto, nem faltava o incenso que subia ao céu de entre as escura telhas, qual perfume de uma oferta verdadeiramente agradável e Deus e aos vizinhos.
Como não recordar esses tempos em que o pão era o elemento à volta do qual decorria a vida comunitária e o ritmo hebdomadário do fadairo da dura vida das gentes penudenses? Como não lembrar esse passado (que nos parece já tão remoto) em que o tempo era ainda de graça e as ceifeiras iam “de troca” encher os campos de vida e das melodias que o sol de verão inspirava. Como não evocar esse ritual quase sagrado de comunhão do frumento comunitário que passava de vizinho em vizinho, consolidando mais os elos de proximidade do que os sermões dominicais do Pe. Borges, sempre tão eloquente nas palavras como no mau feitio? Quem não recorda esses costumes rudes como os penedos dos nossos montes: a eira religiosamente preparada com a melhor bosta de vaca que semanas antes se ia recolhendo e conservando para preparar o eficaz tapete em que seriam recolhidas e malhadas as gordas espigas de trigo ou centeigo; mas a relação entre o pão e a bovina bosta não ficava por aqui, pois esta -sabe-se lá porquê?- era ainda usada para “tapar o forno”. O facto é que, no tempo em que ainda não tinham inventado o fundamentalismo da ASAI, o método era bem eficaz e, tirando o inconveniente de nem sempre cheirar só a pão, não consta que alguém tenha sofrido com tal associação de extremos.
Nesse tempo o “pão de cada dia” era duro como a semana de trabalho, mas parecia que mantinha a frescura dos sete dias da criação, quando o Pai Eterno teve a feliz ideia de inventar o dia santo que a Santa Igreja mandava guardar. Era o pão sem prazo de validade, para saborear até ao último naco, na calmia de cada lar e à lareira, quando ainda não se sonhava com a fast food; quando os “fins de semana” ainda não eram de fuga, mas de encontro. Nesse outrora da nossa grata memória, o tempo era conforme Deus o dava, e nem o burrico, guiado pelo paciente moleiro parecia muito empenhado em fazer-se caro. Lá ia de povo em povo a recolher as taleigas do grão que regressava, na semana seguinte, se o rio levasse água, transformado na cândida e preciosa farinha.
Nesse tempo, havia, de facto, tempo para tudo: tempo para semear e tempo para colher, tempo para saciar e tempo para jejuar, tempo para dar e tempo para receber. Mas o "pão de cada dia", era a razão de ser dos suores e lágrimas de homens e mulheres que, tantas vezes, até se esqueciam de amar para que esse nunca viesse a faltar.
Era o tempo em que o pão era por Deus e só as aves do céu se atreviam a colher em ceara alheia o justo preço pelo seu gratuito canto com que suavizavam as asperezas duma vida toda ela oblação.
Era lindo ver os campos de trigo exibindo-se em danças orquestradas pelo vento e o futuro pão ainda exposto nas douradas espigas que, como custódias, elevavam um laus perene à liberalidade do “Senhor da messe”. E quando chegava o tempo de ceifar, começava a grande “eucaristia”: cânticos de júbilo acompanhavam as ceitoiras que, como arcos de violino, pareciam ensaiadas pelo mesmo maestro. Primeiro em paveias, depois em molhos, depois em caxochos ou em rolheiros, até, finalmente ser acarretado para as medas que se erguiam na eira, mais altas que as torres do Iteiro: era este o caminho seguido por milhões de espigas mortas por darem à luz muito grão.
Uma vez na eira, preparava-se o sacrifício: a eira comum transformava-se então no palco sagrado do apoteótico dar à luz do “fruto da terra e do trabalho do homem”. Neste espaço e tempo, o sagrado e o profano fundiam-se, o suor e as lágrimas eram de alegria, e as merendas, embora sempre iguais, tinham um sabor único.
Quando recordamos esses tempos e modos de vida das nossas gentes que nestas terras áridas e destemperadas se viram obrigados a fazer das pedras pão, apetecia-me erguer-lhes um monumento bem merecido. Como a nossa terra não é muito dada a memoriais, continuo a recordar os nossos ancestrais cada vez que saboreio uma boa côdea de pão.

Isidro Pereira Lamelas

 
Top